sexta-feira, 22 de julho de 2011

Verdadeiro

        A garota olhou à sua volta. Estava sozinha. Chorou. Desabou em lágrimas enterrando seu rosto entre os joelhos em meio à coberta envolta às suas pernas.
       De repente, escutou um barulho. Assustou-se. Olhou à sua volta em busca do que fizera aquele som.
       Caminhou em direção à porta da varanda de seu quarto. O medo a assolou. Apertou a coberta em volta de si enquanto caminhava.
       Caminhou lentamente. As lágrimas ainda rolavam em suas bochechas.
       Chegou à porta. Abriu-a. O vulto negro à sua frente a fez cair de joelhos. Desabou em lágrimas de novo.
       - Você não deveria estar aqui. O que foi? Deseja ver a minha tristeza de perto?! Não foi o bastante presenciar tudo que me aconteceu? Minha vida está em ruínas. Não preciso de mais um a me jogar pedras...
       Ele abaixou-se e tocou o tristonho rosto.
       - Não vim para te julgar. Nem mesmo quero fazê-lo. Olhe em meus olhos. - Com os dedos, levantou a face da garota. - Eu estou aqui por você. 

sábado, 2 de julho de 2011

O Debutar Esplêndido

Dançou sozinha a sua valsa. Rodopiou e cantarolou.
Parou. Olhou à sua volta.
Seus olhos brilhavam junto à um esplêndido sorriso. Ela tivera sua melhor noite.
Eles saudavam a debutante. Entregaram os melhores presentes à delicada moça, seus maiores bens.
Ela olhou bem a faca em suas mãos. Restava apenas um para seu baile sangrio estar completo.
Observou aos convidados caídos ao chão e seu vestido manchado.

"Ninguém se salva" - Sussurrou.

Em sua garganta sentiu as últimas gotas de sua vida esvairem-se em sangue.