sábado, 2 de maio de 2015

Alegria, agonia

É isso, menino.
Vai lá, Faz da vida poesia;
Faz do encanto tua alegria.

Ah, mas que covardia!
Pra quê tanta agonia,
se desperta tantas vidas?

Encontra-te, em sua via.
Caminha,
Não desvia.
Em suas palavras cairás um dia...


Autora: Stephanie Santana.

Rema, Remador


Ele vai ali, segue seu rumo, remando
Parou para pensar em si?
Parou para pensar no mundo?
Sua cabeça toma-se em emoção
Fica ali, na sua paz
Faz de si assim,
Coração e alma.


Autora: Stephanie Santana. Foto por Sálvio Júnior. Modelo desconhecido.

Dual

A vida é de intermédios
Não há um muro
Não há lado para ficar

Essa dualidade que achamos
Que burros, nós, humanos
Que dificuldade é essa
Em perceber o simples
Em ver que é inatingível
Esse poder de entender
Esse poder de controlar
Em qual lado ficar

Quais lados você vê?
Em que lado quer ficar?
Ha-Ha-Ha!
Acredite, meu irmão
Isso é algo que não há.

Plurais que somos
Plurais que vemos
Verdade única?
Ilusão
Jogada aos quatro ventos.