quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

Gaia

Os pés afundaram na areia.
Abriu os braços.
Sentiu o vento.
Sentiu a brisa.
Sentiu o calor brando de um sol prestes a se pôr.

A água vinha aos poucos, molhando a barra de sua saia, seus pés, sua alma.
Em nada pensava, tudo sentia.

Sorriu.
Sorriu diante de uma vastidão.
Vastidão de sentimentos, experiências e opotunidades.

Sentiu suas mãos formigarem.
Sentiu sua pele transformar-se.
Sentiu a água que escorregava abaixo de seus olhos.
Sentia-se afundar, misturar-se.
Sorriu, resiliente.
Fez-se Gaia.

sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

Incandescência Declarada

    Cansada, caminhou sem rumo. Desfez suas malas na última parada e largou para trás os seus excessos. Tudo pesos sem sentido, que carregava por carregar.
    Parou enfim em uma lanchonete. Foi ao banheiro, que tava meio imundo, por sinal. Lá, lavou o rosto, tirou seu chapéu por um momento e se viu.
   Ali, em frente ao espelho velho meio embaçado, viu-se manchada. Mas não; não estava manchada pelas manchas do espelho. Aquilo vinha de si. Ela então olhou em seus próprios olhos a fim de se enxergar e permaneceu ali por um tempo.

    Um sorriso brotou em seus lábios e alargou-se em seu rosto. Ela encontrou e escutou seu silêncio. Pôs seu chapéu. Seu rosto agora estava indiscernível. Seus olhos brilhavam, incandescentes; numa cor vibrante nascida do pó em qual um dia se transformou. Já o seu rumo, se tornou mais claro, ainda que desconhecido.

Autora: Stephanie Santana
Foto por Alile Dara Onawale (http://gavetanalogica.tumblr.com/).
Agradecimentos à Alile por eternizar momentos inspiradores através de suas fotos. <3