quarta-feira, 14 de agosto de 2013

Rabiscos Absortos

A chuva estava forte e recusava-se a parar. O dia escuro, nublado, parecia não ter fim.

Estava sentado ali, numa mesa distante dos outros clientes, em uma lanchonete. Caneta na mão, caderno aberto. Sua mesa ficava bem em frente a rua. Via os carros passarem e ficava tentando imaginar quem viria a seguir.

Pensava. Seria decepcionante, realmente. Mas por quê ele se importaria? Observara por dias aquela bela mulher. Alta, bonita, estonteante... Sim, ela seria a próxima. Ela seria perfeita.

A história dele estava apenas no início.
E ela? Bem, mal sabia ela que se tornaria eterna.


Texto por: Stephanie Santana (@stephaniedms)

Escarlate

"Parando para pensar, o que há, garotinha?
Essa expressão sem rosto, esse movimento no olhar...
É de assustar, sabia?
Mas não se preocupe, mocinha. Se preocupa não.
Logo, tudo se resolverá."

Não houve tempo para correr. Não houve tempo para gritar.

"Hum...Quem diria que um belo toque escarlate e uma lâmina não fariam efeito?
Já me atormentara demais, oras!
Gosto muito mais de rostos sem expressão."

Deliciando-se, ele se se foi. As gotas de chuva lhe traziam um bom humor, a faca em suas mãos lhe trazia a diversão.

Em pouco tempo, a água levaria seu rastro de sangue.

Não havia corpo, mas haviam rabiscos naquelas pedras.
Ele a deixara lá, como sua maior obra de arte.
Como uma marca da sua insanidade.




Texto por: Stephanie Santana (@stephaniedms)