domingo, 24 de novembro de 2013

Descontentamento Ilusório

Com as flores em mãos, ele sobe as escadas. Seu coração palpita, sua respiração ofega. Irá revelar-se.

Bate à porta. Ela abre, ele se ajoelha. Ela sorri, sem graça, e agradece. Ele a pede. Ela nega e se desculpa.

Destroçado, ele senta sobre os calcanhares. A porta se fecha. A esperança se esvai.

Recompõe-se. Ele ainda chora, mas se vai.

Tropeça, fraqueja, cai. Levanta-se e então senta encostado na parede de algum lugar que já nem sabia qual era.

Chora, fica arrasado. Sofre. Sofre e então chora. Dorme, angustiado, ali mesmo.

Ele abre os olhos. Um belo sorriso estava à sua frente.

Tempos passaram-se. A dor não foi. Mas agora ia sendo transformado em uma chama.


Mais uma chama de esperança.



Autora: Stephanie Santana.